sexta-feira, 29 de maio de 2009

Dimarzio Area

Eu sempre fui um guitarrista que usa humbuckers (esse blog não tem o nome que tem à toa, não é?). Mas não é que eu não goste dos sons de single. Pelo contrário! A minha repulsa aos singles dá-se única e exclusivamente por causa do ruído. Já vi em comunidades do Orkut pessoas dizendo que a blindagem resolve. Isso não é verdade. A blindagem não resolve o ruído dos singles. Ela apenas evita aquele ruído chato que aparece quando você retira as mãos da sua guitarra. O outro problema das strato é que quase todas têm 3 singles onde os pólos de cada um deles são os próprios imãs do captador que, em geral, são feitos de alnico V com carga máxima jogando atração magnética nas cordas. Pense bem: são 3 fontes de atração em cada corda. Isso quer dizer que vocês não podem aproximar muito os captadores das cordas. Isso mata o sustain e gera umas anomalias toscas na afinação em algumas notas (especialmente nas casas mais agudas das cordas G e D). Solução: afastar os captadores das cordas e perder ganho. Se eu corro, o bicho pega. Se eu ficar, tenho que lutar jiu-jitsu com ele.

Mas devemos mesmo buscar maneiras de eliminar o ruído dos single coils? Se sim, como fazê-lo? Captadores ativos? Stacks? O miraculoso circuito da Suhr? Ou será que os humbuckers em tamanho de singles que emulam os timbres de single são a melhor alternativa? Poucas vezes nesse tempo lidando com guitarras eu pude ver uma polêmica tão grande quanto essa.

Minhas primeiras experiêncisa com tentativas de sons de single sem ruído foram muito frustrantes. A primeira foi com o antigo stack da Seymour (STK-S1). Aquele captador é um horror. Depois foi com a primeira geração de Fender Noiseless. Péssimo. Logo depois eu usei a última geração de stacks da Seymour (STK-S4) que só não foi o pior de todos por causa da minha tentativa seguinte, que foi com a segunda geração de Fender Noiseless, o SCN, patente comprada do mestre Bill Lawrence. Minha Nossa Senhora das palhetas perdidas, esse captador é uma piada de mal gosto. O som é de plástico, duro, sem vida. Um horror.    

Não preciso nem dizer pra vocês o tamanho da minha decepção depois de tantas tentativas.               

Eu tenho à minha disposição um par de stacks da Tom Anderson (marca pela qual tenho profunda admiração pela qualidade do material) e da EMG, mas meu trauma com os stacks foi tão grande que nunca os coloquei em guitarras minhas. Eu não tentei nem mesmo usar a primeira geração de Dimarzio Virtual Vintage, e vocês sabem que eu gosto dos Dimarzio. Mas eis que a própria Dimarzio uma geração nova de Virtual Vintage, chamada de Area. Primeiro foram os modelos 58 e 61. Meses depois o Area 67 estava disponível. A proposta dos Area era levar os Virtual Vintage um passo à frente em termos de timbre e reduzir ainda mais o ruído. E lá fui eu conferir os captadores. Eu comprei o 58, o 61, o 67, o 54 Pro e o Virtual Vintage Heavy Blues 2. Tirem proveito disso, pois meu bolso reclamou.

A diferença de timbre entre os modelos 58, 61, 67 e 54 Pro é mínima e faz mais parte do marketing da Dimarzio. O Heavy Blues 2 já é, sim, mais gordinho. Todos são muito legais, mas o HB2 e o 58 foram os meus preferidos.

Vamos de cara para os prós dos Area:

1- Até conhecer os Area os captadores mais silenciosos que eu conhecia eram os Dual Blade do Rosar. Os Dual Blade continuam morando no meu coração sem pagar aluguel, mas os Area conseguiram a proeza de ser mais silenciosos ainda. Pessoal, o caso é sério: eles são tão silenciosos que às vezes em tiro as mãos da guitarra pra fazer alguma coisa e até penso que o botão de volume da guitarra está fechado. E olha que eu uso pouco ou nenhum noise gate;

2- Eles são feitos com alnico II. Isso quer dizer que a atração magnética é bem menor que nos single normais. Posso usá-los um pouco mais perto das cordas, ter um ganho extra e mesmo assim ter um alcance dinâmico excelente. Alnico II é ótimo nesse ponto! Esses elogios se estendem aos humbuckers com alnico II ou com alnico V com sistema de suavização de campo magnético;

Sérgio Rosar e eu conversamos muito sobre essas características e ele me chamou atenção para um fato. As maravilhas proporcionadas pelo uso de alnico II em singles geram um pequeno problema: como o alnico II tem uma carga magnética menor que o alnico V super saturado que usa-se normalmente em singles, nós acabamos abrindo mão daquele som percussivo maravilhoso que nós temos nas cordas graves quando usamos singles normais. A suavidade do alnico II oferece um som menos percussivo, mais doce e punch mais suave. Isso pode ser o que você está procurando pra amaciar aquela sua strato tremendamente aguda e rachadiça, mas saiba que esse não é o som de strato que nós ouvimos nos discos do SRV, Hendrix, Nile Rogers e outro strateiros de quem somos fãs.

Essa maior suavidade do ataque das cordas graves (quando comparados a singles reais) dos Area são o maior problema desses captadores. Eles falham em tentar gerar o som exato de singles clássicos, mas são sem dúvida muito melhores do que qualquer stack que eu tenha usado até hoje. Fico muito impressionado que a Dimarzio ainda não tenha atentado para isso. Se vocês consultarem o catálogo da Dimarzio poderão ver que os Virtual Vintage de ganho mais alto (Virtual Vintage Solo, Virtual Vintage Solo Pro e o Virtual Solo) usam alnico V. Claro que isso é por causa do ganho e esses não têm a proposta de soar como single, mas minha sugestão pra sanar esse problema dos Area é o uso do conceito do Five-Two da Duncan (alnico II pras cordas agudas e alnico V pras graves) ou simplesmente abandonar o uso de alnico II nos stacks. Mas pros conceitos da Dimarzio isso provavelmente seria dar um passo pra trás na busca por um stack com pouco atração magnética.

Os novos Virtual Vintage são timbristicamente convincentes, são silenciosos, têm um excepcional alcance dinâmico, mas não são essa maravilha toda que a Dimarzio alega. Eu mantenho aqui uma strato com a qual me divirto muito com Heavy Blues 2 na ponte e o 58 no meio e braço. Essa strato e uma tele são as minhas únicas guitarras sem captadores Rosar. E vou continuar usando essa strato com os Area. A não ser que eu consiga uns stacks Kinman e eles sejam mesmo essa maravilha toda que dizem por aí. A propósito: o Kinman parece concordar com a opinião do Rosar e acredita que o alnico V continua sendo a melhor idéia pros stacks.

27 comentários:

edivar marinho disse...

Fala grande rafael,
tô sempre lendo as coisas aqui!
ficou muito boa essa parada sobre esses Areas aí!

Pietro Polvani disse...

tava com saudades desse blog já


review ótimo rafael, valeu mesmo, eu precisava de uma opinião sobre esses captadores


keep on rocking!

Alisson disse...

Demorou mas postou. Ainda estou doido pelo strattone.Eu acredito que o sinal nao tao alto dos Dimarzio(relativo a MAIORIA dos dual blade)e o campo magnetico do alnico II comparado com um campo de um imã cerâmico(depois de ler o M.N.O Sadiku se entende o que estou falando), fazem os Dimarzios mais silenciosos que os dualblade. Mas estou com a ligeira impressao que em pouco tempo o Rosar vai aparecer com uma nova pra resolver esses "problemas".

Lucas disse...

Olá Rafael! Sou o cara dos captadores la do Mercado Livre, esse é meu email! Abração.

Lucas disse...

e agora de fato com o email hehe
giambino@gmail.com

AsaphsGuitar disse...

saudades :)

yuri disse...

OLá, tenho uma duvida em relaçao a madeira x captador.. estou com uma guitarra modelo randy rhoads com o corpo em marupa, braço em pau marfim.. minha duvidas era se na sua opiniao um super distortion ficaria legal ou um tone zone na ponte.(humbucker) e no braço um tone zone ou air norton. faço essa pergunta pois nao sei muito bem as caracteristicas que o marupá oferece. se tira um som mais estridente , ou mais encorpado, entao pensei que se o som fosse muito mais puxado pro agudo um tone zone equilibraria.. quanto ao estilo de som que procuro é o hard rock , rock and roll..
Obrigado!

Rogerio disse...

Rafael, acompanho seu blog ha certo tempo, seus comentários são sempre com muita propriedade. Gostaria dos seus comentários para a pequena linha de pickups de 7 cordas que temos por aí, Seymour, Dimarzio, EMG.

Sucesso!
Rogerio
São Bernardo do Campo - SP

Adan disse...

Opa, gostaria de dizer que teu blog é excelente, sempre leio as coisas por aqui. Cara, será que rolaria um review do Bill Lawrence, o L500XL?
Abraço

MundoGuitarra disse...

Cara, valeu também por ter visitado o Mundo Guitarra, seu blog é bem legal também, é o tipo de proposta que venho buscando na rede.

Grande abraço,

mundoguitarra.wordpress.com

Rafael Gomes disse...

Moçada, um texto sobre o L500XL tá encaminhado pq é um dos mais pedidos. Abraço!

Andre disse...

olá

a minha guita tem 3 captadores, sendo ponte humbucker e 2 singles.

é uma frankestein, corpo nao sei de q guitarra, com floyd rose, e o braço de uma BC.Rich americana. nao sei as madeiras usadas, mas o braço é macio e minha mao se encaixou bem.

Uso o laney lv300 twin, é o q meu poder aquisitivo me dá né, tento ter o melhor no meu alcance. uso a distortion dele mesmo.

Toco metal entao Hetfield, Mustaine, angra, e etc... é o padrão do som. me sugeriram o trembucker original ponte + hot rails no braço da seymour... já pensei nos ativos emg 85, mas os singles são problemas... gosto de um som mais definido e com peso. sem o embolado dos EMG, então, gostaria de sugestões...

ah sim, se possivel, eu gostaria de usar o do meio na escola Steve Vai, pra som limpo, pois gosto do som limpo da fender, isso é possivel? ter altos ganhos nas pontas e o do meio ser usado pra um som limpo cristalino?

sampaiode@gmail.com
abraços!

Comum disse...

Oi Rafael,
descobri o blog esses dias e estou lendo compulsivamente todas as matérias. Agradeço desde já a dica dos Sérgio Rosar, estou por visitar o representante assim que possível.

Uma única sugestão, que acho que melhoraria ainda mais o blog, é de publicar alguns exemplos de sons dos captadores. Sei que mp3 não é lá o melhor meio, mas ao menos daria pra ter uma idéia melhor do que é um som "rachado", "crocante" etc., além de dar uma idéia mais exata dos sons, já que a audição é uma experiência muito individual. ;)

Parabéns pelo blog e pelo trabalho!

Brian - Mope disse...

Rafael, tudo certo?

Eu sou o Brian, e sou de SP Capital!

Acompanho o seu blog desde o começo do ano, quando estava procurando por referências em captadores...

Esse tópico despertou o interesse em tentar fazer o meu próprio captador! Sou amante de som das stratos, mas ainda não consegui imaginar nenhum captador pra minha guitarra (Tagima T635, acho que do ano de 2003 ou anterior).

Gostaria de saber se vc tem alguma indicação de captador pra strato, que deixe o som de strato, e que tenha um bom sustain, pq os captadores que vieram com ela, são mto fraquinhos...

Ah... também queria saber se vc sabe onde é possível encontrar os ímas de AlNiCo, e/ou partes para se montar os captadores!

Obrigado pelas informações valiosas!!! Bons testes por aí!

Anônimo disse...

Pena que eu só descobri este blog hoje, mais ainda porque parece que a sua atividade literária tem diminuído... :(

Seus textos são muito agradáveis e informativos, acredito que ainda há muito a ser escrito.

É muito bom ver o conhecimento nacional neste nível, imagine como era a distribuição de informação em meados de 80... acho que tive oportunidade de experimentar os piores exemplares nacionais já fabricados... huahuahua

Não nos abandone

Anônimo disse...

Olá, leio seu blog acho que desde o começo, anyway, vc nunca fez reviews dos stellfner, agora lendo o review dos dimarzio area, acho que vc faria um review legal e tb teria uma outra impressão sobre stacks se testasse os neodymium da stellfner.

Eu só testei um até hj (modelo hard), e achei bem legal, foi o captador silencioso mais próximo de single que já rondou minha strato.

Flwz e keep it up com o blog, é dos melhores textos que já li sobre captadores, aprendi muita coisa aqui :)

caco disse...

Olá.
Bem, em minhas pesquisas pela net a procura do captador perfeito para minha strat plus, me deparo com seu blog e gostei bastante de seus reviews. Esta Fender veio equipada de fábrica com um trio de lace sensor gold. Já coloquei na ponte um stack da Sweet Spot e também um Dimarzio Fast Track 2 e não gostei dos resultados, então retornei para o velho lace.
Gostaria de um pickup p ponte bom o suficiente para fazer jus a este excelente instrumento. Rock'n rool na veia, prá usar na maior parte do tempo com drive TS 808 Keeley e big muff, bem hard rock. Quero um captador para conseguir saturar bem as válvulas do meu hand made EL34 20W. Nada hi gain, gosto das timbragens vintage, porém que apresente uma saturação bem musical. Ouvi sugestões de Lollar, Suhr, Van zandt. O que acha dos P90. Você acha que eu encontraria uma boa sonoridade com este tipo de captador na ponte? Uso o pickup da ponte 90% do tempo. Assim como vc, não uso captador no meio nem as posições intermediárias. Rafael, o que me sugere para eu pesquisar para atingir este tão sonhado timbre? Tem também os Duncan Quarter Pound do Blackmore. E aí, será que vc poderia me ajudar?
Grato

David Contesini disse...

Rafael, parabéns pelo grande trabalho. Sério e consistente, algo que faltava na rede.
Você acaba de ganhar mais um leitor assíduo!

Aldo Bueno disse...

Fala cara, já li algumas matérias aqui e achei essa bem legal, realmente eu sou fã de singles verdadeiros e de alnico V, jamais testei algum stack que substitua o timbre magnífico e percussivo como vc falou, todos eles matam o som, realmente quem procura um single com zero ruído, usa bem mais distorção e já não quer tanto do "plec plec" do single comum, que fica mais evidente com muita distorção ...

Quanto à blindagem, ela tira até 70% do ruído dos singles, por um simples motivo : 70% do ruído de uma strato genérica (sem blindagem) é proveniente de interferências não relacionadas aos 60Hz da rede elétrica, e sim interferência eletromagnética de luzes com reatores, radio frequencias e outras intereferências que não são o ronco comum de 60Hz da rede ( esse sim, impossível de eliminar com a blindagem :) Fiz um teste decisivo, na minha strato que tenho um trio de Lollar, captadores excepcionais, instalei-os sem blindagem nenhuma no corpo e só alumínio naquele pedacinho do escudo, baita ruído em qualquer situação, depois de blindar inteira com folhas de alumínio coladas com fita dupla-face, virou OUTRA guitarra, usando um NS-2 com threshold no 9h já fico com ruído zero, mesmo com altos níveis de drive ...

montei um Blog também, zonadaguitarra.blogspot.com, to postando umas materias legais lá, vou descrever um pouco da minha experiência com mais de 70 guitarras que já tive, pedais, amps, uma infinidade de captadores e equipamentos em geral

Abração

Aldo Bueno

Aldo Bueno disse...

Ahhhh sobre os Kinman, testei 3 stratos iguais, feitas pelo Marcos Sanchez de SP, uma com Fender Custom 69, outra com Texas Special e uma com um trio de Kinman, sinceramente ? São terríveis assim como os Noiseless, SCN e demais stacks q tem por aí ...
Nem perca $$$ comprando, a menos que vc queira MESMO testar ... Mas fica a dica

Rafael Gomes disse...

Aldo, a blindagem só retira aquele ruído chato q aparece quando a gente retira as mãos do instrumento. De jeito nenhum a blidagem retira os ruídos de 60 ciclos. Mesmo coma guitarra blindada é só comparar o som de um single sozinho com o corte feito quando vc coloca das posições intermediárias. De qq maneira, eu tenho usado singles reais mais vezes ultimamente.

GuitarTech disse...

Parabéns pelo blog stá muito interessante..
Quando puder confira o meu
www.guitartechnical.blogspot.com

Abraços

Felipe Gomes disse...

Tenho dado olhadas esporádicas no seu Blog e tenho adquirido muita informação...eu gostaria de saber se vc tem alguma experiência com o SD sh-1 na ponte, comumente vejo ele sendo colocado no braço em par com o jb mas tenho interesse de saber sobre seu funcionamento na ponte.
Continua com este trabalho, é realmente bom!!!

Anônimo disse...

Ola!
Cara eu to querendo fazer uma strato em um luthier quero por o area 58 no braço e no meio mas quero jogar um humbucker na ponte mas não sei qual captador por para casar com o area, hoje uso o sh-4(jb)na ponte de uma guitarra que tenho de basswood gosto do som gordo dele e queria algo tb gordo para esta strato algo que fosse bem com o area 58 e com a madeira, a guitarra é em ash e tanto o braço como a escala são em maple, uq vc pode me sugerir.
Desde já grato.

Anônimo disse...

desculpe me equivoquei esse sh-4 uso na de mogno, na de baawood uso um tone zone.

Guilherme moreira disse...

Olá rafael!estou com um problema no meu humbucker dimarzio 159dp...instalei ele corretamente,coloquei potenciomentro de 500k...,coloquei o capador na altura boa,etc...mais ele está sem ganho..a distorção some cara.Me ajude por favor, obrigado.

Eu Mesmo disse...

Mas pq vc nao usa um trio de fender Noiseless ou um escudo do Guilmour? Nao tem ruidos...